Pesquisa XP/Ipespe mostra que 71% dos brasileiros enxergam a necessidade da reforma da Previdência

Dados de uma pesquisa realizada pela XP Investimentos em parceria com o Ipespe mostraram que aumentou o número de cidadãos brasileiros que percebem a reforma do atual sistema de Previdência Social como algo necessário para o futuro do país.

Késia Rodrigues - Colaboradora Independente
Colaboradora Independente do Portal EuQueroInvestir e leitora assídua de conteúdos sobre economia e política. Apaixonada por literatura, viagens, tecnologia e finanças.

Crédito: Crédito da imagem: Gustavo Roth/Folha Imagem/Dedoc

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]A pesquisa, que foi feita por telefone entre os dias 9 e 11 de janeiro, mostrou que 71% dos brasileiros compartilham desse ponto de vista, resultado que é superior ao apurado em dezembro do ano passado em oito pontos percentuais. Já o grupo que se diz contra essa reforma diminuiu e passou de 30% para 22%.[/box]

O governo de Jair Bolsonaro trata como prioridade a reforma da Previdência e deve encaminhar uma proposta ao Congresso Nacional ainda em fevereiro deste ano. Na avaliação do Planalto, quanto mais apoio da população a medida tiver, será mais fácil para o governo conseguir os votos necessários para a sua aprovação entre os parlamentares.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Crédito da imagem: Gustavo Roth/Folha Imagem/Dedoc

A XP/Ipespe já mostrou anteriormente que os brasileiros já perceberam a necessidade em se promover mudanças no atual sistema de aposentadorias. Isso pode ser percebido no aumento de 67% para 71% no número de brasileiros que veem como necessária a reforma da Previdência.

Ao todo foram ouvidas mil pessoas, por telefone, em todas as cinco regiões brasileiras. A margem de erro máxima da pesquisa é de 3,2% para mais ou para menos.

Com base nos dados da pesquisa, o que se percebe é que, cada vez mais, os brasileiros têm disposição para “cortar da própria carne”, pois grande parte das pessoas que apoiam a reforma da Previdência sabem que serão impactados por essa medida. A pesquisa mostra que 58% dos entrevistados estimam que sentirão os impactos provocados por essa mudança e que 15% deles sentirão em maior proporção. Já 37% das pessoas ouvidas acreditam que não devem ser atingidas pela medida. 6% das pessoas não souberam responder ou desejaram não opinar.

Os entrevistados da região Nordeste alegam que serão mais impactados por essa reforma (63%), seguidos pelos entrevistados da região Sudeste (58%) e região Norte (57%). Além disso, a pesquisa mostrou que a maior parte dessas pessoas é jovem (entre 16 e 34 anos) e possuem o ensino médio ou curso superior completo.

A tabela abaixo mostra a estratificação dos dados da pesquisa:

Entre os pontos de maior tensão para o governo Bolsonaro é a inserção dos militares no plano de reforma da Previdência, algo que conta com o apoio da maior parte dos brasileiros. Dos ouvidos pela pesquisa, 50% apoiam o fato de que os militares devem se submeter às mesmas regras aplicáveis aos demais trabalhadores. Já para 16% dos ouvidos, o grupo deve se submeter a regras ainda mais específicas. 24% defendem que os militares não devem ter suas regras de aposentadoria modificadas em uma possível reforma da Previdência.

Outro assunto polêmico que foi levado aos entrevistados é sobre a possibilidade de um aumento na alíquota de contribuição paga pelos servidores públicos. Do total, 49% das pessoas se dizem contra esse aumento, já 41% se dizem a favor. Outros 10% não quiseram opinar ou não souberam responder.

[banner id=”teste-perfil”]

Metodologia

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]Os questionários utilizados foram aplicados “ao vivo” aos entrevistados e em 20% dos casos passaram por uma verificação posterior. Essa amostra tem como base o total dos eleitores brasileiros que contam com acesso a uma rede telefônica fixa (seja na residência ou no trabalho) e a rede celular. Também foram adotados critérios de estratificação como idade, renda familiar, nível de escolaridade, sexo etc. A margem de confiança da pesquisa é de 95,45%.[/box]

Fonte da notícia: Portal Infomoney