Bolsonaro será responsável pela campanha da reforma da Previdência

Crédito da imagem: José Cruz/Agência Brasil

Késia Rodrigues - Colaboradora Independente
Colaboradora Independente do Portal EuQueroInvestir e leitora assídua de conteúdos sobre economia e política. Apaixonada por literatura, viagens, tecnologia e finanças.

Crédito: Crédito da imagem: José Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro foi escolhido para atuar como “garoto-propaganda” e explicar à população brasileira os principais pontos da reforma da Previdência. A popularidade do presidente está em alta e esse é um dos principais trunfos do Planalto que visa garantir a aprovação da PEC da reforma ainda no primeiro semestre de 2019.

[box type=”success” align=”” class=”” width=””]A equipe de apoio de Bolsonaro acredita que a forte presença do presidente nas redes sociais, juntamente com os seus mais de 57 milhões de eleitores são um respaldo ao governante, que deve defender a reforma e evitar erros de comunicação como os assumidos pelo governo anterior.[/box]

O Estadão/Broadcast apurou que o presidente não deve se ater a detalhes técnicos da reforma, mas discursará de forma a reforçar os principais pontos da proposta. Isso pode ser percebido no comportamento de Bolsonaro, pois tem utilizado as redes sociais para publicar textos maiores e, até mesmo, notas oficiais.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

O dilema de Bolsonaro

Mesmo sendo o protagonista na comunicação da reforma, o presidente do Brasil vive atualmente um dilema que envolve justamente o tema aposentadoria.

[banner id=”teste=perfil”]

Crédito da imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Tendo sido deputado federal por aproximadamente 28 anos, ele pode se beneficiar de um dos mais vantajosos regimes de aposentadoria já concedido aos parlamentares. Trata-se do benefício do Instituto de Previdência dos Congressistas (IPC), que pode ser concedido a quem já tenha completado 50 anos de idade e pelo menos oito anos de mandato.

Quando um parlamentar completa 30 anos de contribuição ao sistema, recebe o valor de um salário integral como aposentadoria. Vale lembrar que esse valor não é considerado para o cálculo do teto do funcionalismo, logo, Bolsonaro pode acumular o benefício do IPC com o seu salário de presidente da República.

As informações foram publicadas originalmente pelo jornal Folha de S. Paulo.

Fonte da notícia: Portal Infomoney.